Blogonet » Blogs » Nothingandall

RSS Nothingandall - Fiche du blog

Signaler


Derniers articles publiés sur le blog

E por vezes - david mourão-ferreira (nascido há 90 anos)

Ajouté il y a 23 heures, via Nothingandall, dans Culture

Abraço imagem daqui E por vezes as noites duram meses E por vezes os meses oceanos E por vezes os braços que apertamos nunca mais são os mesmos E por vezes encontramos de nós em poucos meses o que a noite nos fez em muitos anos E por vezes fingimos que lembramos E por vezes lembramos que por...

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

Coroam-nos de rosas e de glórias - Fernanda Seno

Ajouté il y a 2 jours, via Nothingandall, dans Culture

Coroam-nos de rosas e de glórias. As rosas cedo secam. E as glórias são todas transitórias como nós. Os louros que colhemos pelos caminhos e essas alegrias que há nos dias, são por causa da luz misteriosa que faz vibrar de canto a nossa voz. As glórias e os louvores não são para nós....

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

Pontos de Vista - Giuseppe Ghiaroni

Ajouté le 22-02-2017, via Nothingandall, dans Culture

Na minha infância, quando eu me excedia, quando eu fazia alguma coisa errada, se alguém ralhava, minha mãe dizia: - Ele é criança, não entende nada! Por dentro, eu ria satisfeito e mudo. Eu era um homem, entendia tudo. Hoje que escrevo histórias e poemas e pareço ter tido algum estudo,...

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

Amargura - aureliano lessa

Ajouté le 21-02-2017, via Nothingandall, dans Culture

Oh! não me pergunteis por que motivo Pende-me a fronte ao peso da amargura, Quando um suspiro trêmulo, aflitivo, Sobre os meus lábios pálidos murmura. Quando ao fundo do lago a pedra desce, Globo de espuma à flor do lago estala: Assim é o suspiro: ele aparece, Porque no coração cai dor que...

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

A Concha - Vitorino Nemésio

Ajouté le 20-02-2017, via Nothingandall, dans Culture

A minha casa é concha. Como os bichos Segreguei-a de mim com paciência: Fechada de marés, a sonhos e a lixos, O horto e os muros só areia e ausência. Minha casa sou eu e os meus caprichos. O orgulho carregado de inocência Se às vezes dá uma varanda, vence-a O sal que os santos esboroou nos...

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

Poema do Amor - António Gedeão (na passagem do 20º aniversário do desaparecimento do poeta)

Ajouté le 19-02-2017, via Nothingandall, dans Culture

Imagem daqui Este é o poema do amor. Do amor tal qual se fala, do amor sem mestre. Do amor. Do amor. Do amor. Este é o poema do amor. Do amor das fachadas dos prédios e dos recipientes do lixo. Do amor das galinhas, dos gatos e dos cães, e de toda a espécie de bicho. Do amor. Do amor. Do amor....

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

A sílaba - lêdo ivo

Ajouté le 18-02-2017, via Nothingandall, dans Culture

O mundo inteiro cabe numa sílaba e nela me refugio para esperar a aurora. Aprendo que Isto é Aquilo. Não preciso aprender mais nada. Já sei o essencial. A noite guardou as chuvas de verão e agora amanhece. O dia é um voo de pássaro. Lêdo Ivo nasceu em Maceió (AL) a 18 de fevereiro de 1924...

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

Redenção - Múcio Leão

Ajouté le 17-02-2017, via Nothingandall, dans Culture

Quando eu morrer, a minha íntima essência Não se há de desfazer, como um clarão: Há de ficar - beleza, amor, consciência - Resistindo à final dissolução. Nessa alta e metafísica existência, Hei de sentir, na eterna solidão, Os milagres da vasta efervescência De um cosmos novo em nova...

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

Do banho - adelmar tavares

Ajouté le 16-02-2017, via Nothingandall, dans Culture

Manhã. Verão. Um sol rútilo, e quente. Gritos das andorinhas no telhado. Há no dia uma festa de noivado. No ar, - um perfume que entontece a gente... Do gabinete, no silêncio amado, leio, e medito preguiçosamente. Ouço cantar... És tu, meu lírio doente, que vens do banho morno e perfumado....

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

Prece - helena kolody

Ajouté le 15-02-2017, via Nothingandall, dans Culture

Concede-me, Senhor, a graça de ser boa, De ser o coração singelo que perdoa, A solícita mão que espalha, sem medidas, Estrelas pela noite escura de outras vidas E tira d'alma alheia o espinho que magoa. (in Paisagem Interior, 1941) Helena Kolody (Cruz Machado, Paraná, Brasil, 12 de outubro de...

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

Commentaires

Ils aiment ce blog