Blogonet » Blogs » Nothingandall

RSS Nothingandall - Fiche du blog

Signaler


Derniers articles publiés sur le blog

Retrato da Minha Cidade - Carlos Maul

Ajouté il y a 21 heures, via Nothingandall, dans Culture

Minha cidade verde, aberta às claridades Que o céu derrama em turbilhão de estrelas, Não me espicaçam pontas de saudades, Nem existem motivos para tê-las.. É que eu te sinto em mim, tal como outrora Ainda te vejo em teus primeiros dias, Como a cantar numa perpétua aurora De nossa infância...

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

Madrugada - Marcelino Mesquita

Ajouté il y a 2 jours, via Nothingandall, dans Culture

Dentre a relva orvalhada, a cotovia Encastela no ar cantando e rindo; O vago azul do céu vão colorindo Os largos tons de luz, núncios do dia. Desfaz-se lentamente a névoa fria Como véu que se rasga e vão caindo, Como bagas de anoso tamarindo Para a terra, os cristais que a noite cria. Fumegam...

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

Intangível - Charles Baudelaire

Ajouté le 31-08-2014, via Nothingandall, dans Culture

Quero-te como quero à abóbada nocturna, Ó vazo de tristeza, ó grande taciturna! E tanto mais te quero, ó minha bem amada, Por te ver a fugir, mostrando-te empenhada Em fazer aumentar, irónica, a distância Que me separa a mim da celestial estância. Bem a quero atingir, a abóbada estrelada,...

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

O querer - manuel machado

Ajouté le 29-08-2014, via Nothingandall, dans Culture

Tua boca rubra e fresca beijo, e a sede não se apaga: que em cada beijo quisera beber toda a tua alma. Enamorei-me de ti; e é doença tão má que dizem os que se amam que nem com a morte acaba. Ponho-me louco se escuto o rumor da tua saia; e o roçar da tua mão dá-me vida e depois mata-me. Eu...

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

Cantiga - Sá de Miranda

Ajouté le 28-08-2014, via Nothingandall, dans Culture

Azulejos in Casa do Barreiro, Gemieira, Viana do Castelo Portugal. Comigo me desavim, sou posto em todo perigo; não posso viver comigo nem posso fugir de mim. Com dor, da gente fugia, antes que esta assi crecesse: agora já fugiria de mim, se de mim pudesse. Que meio espero ou que fim de vão...

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

Happy Birthday: Sarah Roemer

Ajouté le 28-08-2014, via Nothingandall, dans Culture

Cet article est entièrement visuel (image, vidéo...). Voir l'article sur le blog original →

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

Estela e nize - alvarenga peixoto

Ajouté le 27-08-2014, via Nothingandall, dans Culture

Eu vi a linda Estela, e namorado Fiz logo eterno voto de querê-la; Mas vi depois a Nize, e é tão bela, Que merece igualmente o meu cuidado. A qual escolherei, se neste estado Não posso distinguir Nize de Estela? Se Nize vir aqui, morro por ela; Se Estela agora vir, fico abrasado. Mas, ah! que...

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

Distribuição do Tempo - Julio Cortázar, no centenário do nascimento do poeta

Ajouté le 26-08-2014, via Nothingandall, dans Culture

Cada vez são mais os que crêem menos Nas coisas que preencheram as nossas vidas, Os mais altos, os incontestáveis valores de Platão ou Goethe, O verbo, a pomba sobre a arca da História, A sobrevivência da obra, a descendência e as heranças. Nem por isso caem do céu do neófito Na ciência...

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

Pretexto - Maria Alberta Meneres

Ajouté le 25-08-2014, via Nothingandall, dans Culture

Por que não cai a noite, de uma vez? — Custa viver assim aos encontrões! Já sei de cor os passos que me cercam, o silêncio que pede pelas ruas, e o desenho de todos os portões. Por que não cai a noite, de uma vez? — Irritam-me estas horas penduradas como frutos maduros que não tombam. (E...

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

Paisagem - Su Shi

Ajouté le 24-08-2014, via Nothingandall, dans Culture

Os nelumbos do estilo já acabaram, Já os não há. E apenas só ficaram As suas folhas em chapéu-de-sol. Os outonais crisântemos murcharam, Mas os ramos altivos que guardaram Já se curvam à geada fria e mole. A adorável paisagem do ano, veja Se na memória o sábio a guarda agora. Porque é...

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

Commentaires

Ils aiment ce blog