Blogonet » Blogs » Nothingandall

RSS Nothingandall - Fiche du blog

Signaler


Derniers articles publiés sur le blog

VisÃo - oscar rosas

Ajouté il y a 1 jour, via Nothingandall, dans Culture

Tanto brilhava a luz da Lua clara, Que para ti me fui encaminhando. Murmurava o arvoredo, gotejando Água fresca da chuva que estancara. Longe de prata semeava a seara... O teu castelo, a Lua crepitando, Como um solar de vidros formidando, Vi-o como ardentíssima coivara. Cantigas de cigarra na...

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

Happy Birthday Abigail Ratchford

Ajouté il y a 1 jour, via Nothingandall, dans Culture

Cet article est entièrement visuel (image, vidéo...). Voir l'article sur le blog original →

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

Poem for a birthday - Sylvia Plath

Ajouté le 11-02-2016, via Nothingandall, dans Culture

1. Who The month of flowering's finished. The fruit's in, Eaten or rotten. I am all mouth. October's the month for storage. The shed's fusty as a mummy's stomach: Old tools, handles and rusty tusks. I am at home here among the dead heads. Let me sit in a flowerpot, The spiders won't notice. My...

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

Entrei no café com um rio na algibeira - José Gomes Ferreira

Ajouté le 08-02-2016, via Nothingandall, dans Culture

Entrei no café com um rio na algibeira e pu-lo no chão, a vê-lo correr da imaginação... A seguir, tirei do bolso do colete nuvens e estrelas e estendi um tapete de flores a concebê-las. Depois, encostado à mesa, tirei da boca um pássaro a cantar e enfeitei com ele a Natureza das árvores em...

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

Poesia Depois da Chuva - Sebastião da Gama

Ajouté le 07-02-2016, via Nothingandall, dans Culture

A Maria Guiomar Depois da chuva o Sol - a graça. Oh! a terra molhada iluminada! E os regos de água atravessando a praça - luz a fluir, num fluir imperceptível quase. Canta, contente, um pássaro qualquer. Logo a seguir, nos ramos nus, esvoaça. O fundo é branco - cal fresquinha no casario da...

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

Grito negro - josé craveirinha

Ajouté le 07-02-2016, via Nothingandall, dans Culture

Eu sou carvão! E tu arrancas-me brutalmente do chão e fazes-me tua mina, patrão. Eu sou carvão! E tu acendes-me, patrão, para te servir eternamente como força motriz mas eternamente não, patrão. Eu sou carvão e tenho que arder sim; queimar tudo com a força da minha combustão. Eu sou...

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

A tua roca - simões dias

Ajouté le 07-02-2016, via Nothingandall, dans Culture

Quando te vejo, à noitinha, Nessa cadeira sentada, O xaile posto nos ombros, Na cinta a roca enfeitada, Os olhos postos na estriga, Volvendo o fuso nos dedos, Os lábios contando ao fio Da tua boca os segredos, Eu digo sempre baixinho Pondo os olhos na tua roca: «Se eu pudesse ser estriga,...

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

Aflição de ser eu e não ser outra - Hilda Hilst

Ajouté le 04-02-2016, via Nothingandall, dans Culture

Aflição de ser eu e não ser outra. Aflição de não ser, amor, aquela Que muitas filhas te deu, casou donzela E à noite se prepara e se adivinha Objeto de amor, atenta e bela. Aflição de não ser a grande ilha Que te retém e não te desespera. (A noite como fera se avizinha) Aflição de...

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

Élis (3.ª versão) - Georg Trakl

Ajouté le 03-02-2016, via Nothingandall, dans Culture

Carvalho em dia dourado imagem daqui 1. Perfeito é o silêncio deste dia dourado. Sob velhos carvalhos Apareces. Élis, imagem de paz com olhos redondos. O seu azul espelha o sono dos amantes. Na tua boca Emudeceram os seus suspiros rosados. À noitinha, o pescador puxou as pesadas redes .Um bom...

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

Monocromia - Fernando Semana

Ajouté le 02-02-2016, via Nothingandall, dans Culture

Um improvisado sofrer resulta Desta soturna luz cinza invernal Que se espraia pela cidade estulta Como sombria tinta de jornal Mas é a monótona cor do tempo Que na realidade me transtorna Ou constitui apenas fundamento Para adornar a dor que já vigora? Quem sabe se é do tempo, se é do tempo...

Ajouter un commentaire | Lier avec un autre article | Fiche de l'article

Commentaires

Ils aiment ce blog